tony monti eXato acidente

leio, escrevo e apago




  • três coisas que eu
    gosto - infantil -
    (2013)


    Capa de eXato acidente
    eXato acidente
    (2008)



    Capa de o menino da rosa
    o menino da rosa
    (2007)




    Capa de O Mentiroso
    o mentiroso
    (2003)





  • e-mail do Tony:
    monti1979 arroba gmail ponto com



  • Arquivos

Archive for the ‘política’ Category

garatuja (81) – explicação sobre os ritos de passagem

Posted by Tony Monti em 14.08.2013

Até antes dos primeiros fracassos adultos, meu senso de humanidade era um tanto perverso. Eu me comovia com multidões, me sentia parte dos grupos, mas tinha dificuldade de me reconhecer nos fracassos alheios. Nesta idade, eu achava possível arrumar as coisas sem sujar as mãos. O modo como hoje alguns dos meus mais queridos amigos tratam as questões públicas me deixa triste. Ao que parece, para alguns é mais importante manter as mãos impecavelmente asseadas do que evitar que se emporcalhe a casa inteira. É preciso não sujar o discurso. Impecavelmente: de modo a não se fazer sujeito de um pecado. A ação parece uma resposta neurótica automática. De um modo torto, a esquerda encontra a aristocracia.

Posted in garatuja, limpeza, política | Leave a Comment »

Pequeno duvidário sobre o futebol, o Barcelona e a vida entre semelhantes

Posted by Tony Monti em 20.12.2011

Fico pensando se uma parte de nós, que reclamamos do enfado eficiente catalão que venceu o ora escuso romantismo santista, não forma um grupo de conservadores ressentidos que vêem no futebol romântico um dos únicos momentos em que o teoricamente mais fraco, o fisicamente menor, vence o mais forte.

Fico pensando se, além dos românticos fortes, não existe escondida na quase-unânime opinião contra a tecnocracia barceloneta uma parcela enorme de pessoas com dificuldade de assimilar o golpe de que, mais uma vez, a máquina, o trabalho e a organização venceram o improviso.

Fico pensando se o elogio ao improvável, em relação ao repetitivo, não carrega um pouco da simpatia do marginal, aquele que não faz nem nunca fará parte da máquina que sempre vence.

Fico pensando se a gente não funda conformidades, em torno das mesmas ideias, em enormes discrepâncias, divergências e deformidades.

Fico pensando se a nossa incapacidade de ver beleza na regularidade não corresponde à dificuldade de aceitar que, dentro deste mundo, uma parte de nós perde sempre.

[só para dizer que eu gostei bastante do jogo do barcelona]

Posted in bunda, Futebol, política | 3 Comments »

azar e sorte

Posted by Tony Monti em 20.02.2009

Eu não quero brindes. Não me agrada trabalhar para pagar o copo que vem junto com o refrigerante que eu compro. Quero pagar menos e não receber o copo. Quando sorteiam automóveis na televisão, eu imagino que, em algum lugar, de algum modo, o sorteio faz o dinheiro do mundo se acumular em vez de ser distribuído. A sorte é parte da ilusão que mantém sob controle os que nunca terão muita coisa.

o texto na íntegra está na coluna desta semana do Terra Magazine

Posted in coluna, literatura, política, sorte, Terra Magazine | 1 Comment »

Política, de novo

Posted by Tony Monti em 20.08.2008

Tenho que calibrar o uso da palavra “política”, as pessoas assustam.

Uma explicação simples: se polis é a cidade, o espaço social público, política é aquilo que se refere a esse espaço.

Outra explicação simples, em forma de exemplo: uma decisão técnica é aquela que relaciona grandezas sempre cambiáveis. Assim, se uma usina hidrelétrica consome R$ 1000,00 e gera R$ 2000,00, temos apenas apenas com esses dados que a usina dá lucro.

Ainda mais uma explicação simples em forma de exemplo: a construção da usina passa por desalojar uma comunidade ribeirinha de seu local de origem. Essa usina daria lucro de R$1000,00 por hora. “comunidade ribeirinha” e “R$1000,00/h” não são grandezas cambiáveis. Assim, a decisão política é escolher entre fazer ou não fazer a usina quando não é possível apenas operar com grandezas (neste caso, dinheiro). E nunca é possível, a não ser que se atribua valores às coisas.

Uma pergunta política para iniciarmos as decisões técnicas: quanto custa um escritor?

Posted in política | 2 Comments »

Marx

Posted by Tony Monti em 18.03.2008

“Para estes autores, a própria filosofia, não apenas este ou aquele tópico no interior dela, tornou-se uma busca profundamente problemática. Eles desejam portanto ou transcender o projeto inteiro por motivos que permanecem filosoficamente interessantes, ou encontrar uma forma de remoldá-lo num registro inteiramente novo, um objetivo que para muito destes pensadores significa forjar um novo estilo de escrita teórica. A maioria se propõe a esvaziar as pretensões metafísicas da filosofia, atacando-a pelos flancos com algo aparentemente mais fundamental: o ser, o poder, a diferença, formas práticas de vida, ou, no caso de Marx, “condições históricas”. Um antifilósofo deste tipo difere de um mero opositor da filosofia da mesma maneira que um “anti-romance” como Ulisses difere de um não-romance como uma lista telefônica.” (Terry Eagleton, em um livrinho sobre Marx)

Posted in academia, filosofia, livros, política | 1 Comment »