tony monti eXato acidente

leio, escrevo e apago




  • três coisas que eu
    gosto - infantil -
    (2013)


    Capa de eXato acidente
    eXato acidente
    (2008)



    Capa de o menino da rosa
    o menino da rosa
    (2007)




    Capa de O Mentiroso
    o mentiroso
    (2003)





  • e-mail do Tony:
    monti1979 arroba gmail ponto com



  • Arquivos

Archive for the ‘abismos’ Category

garatuja (101) – meu budismo (4)

Posted by Tony Monti em 24.04.2014

Uma pedra tropeça e cai no abismo. Chove bastante e o vento molha a pedra e faz barulho. Bodes gritam das brechas nas paredes do abismo. Como eles chegaram lá? Estão de olhos abertos e parecem calmos. Do ponto de vista da pedra que cai, não fazem sentido as palavras pensadas pelos gregos, pelos beats, por iguanas ou por caramujos quando não caem como pedras em abismos. Uma hora a pedra para de escutar os sons. A pedra sente um alívio, uma desopressão. A água da chuva forma um lago no vento. Por uns poucos instantes ela esquece que há outro chão no fim da queda.

Anúncios

Posted in abismos, garatuja | Leave a Comment »

garatuja (86) –

Posted by Tony Monti em 25.11.2013

não é só de maneiras bonitas que a gente precisa dos outros. não é inteiramente sincero desejar sorte para alguém que vai viajar, de quem a gente gosta, alguém que a gente quer perto. o ódio é um vínculo forte, é um desespero burro que às vezes tem nomes bonitos.

Posted in abismos, garatuja | Leave a Comment »

garatuja (79) – ab-grund

Posted by Tony Monti em 06.08.2013

Por ódio, tem gente que escreve um livro. Por egoísmo, tem gente que oferece carinho. Por gostar, tem gente que cava um abismo. Valorizo quem transforma o motivo qualquer em algo bonito. Os motivos a gente nunca conhece mesmo. É sempre confuso o que move a gente.

Posted in abismos, garatuja, não tenho humor tenho raiva | Leave a Comment »

garatuja (53) –

Posted by Tony Monti em 23.12.2012

A natureza de certas coisas é inacabada. Para expressar essas coisas, é preciso incluir um susto, uma antipatia, alguma representação do esforço e do fracasso. A perfeição e a simetria nem desconfiam dos animais abissais, da turbulência, dos sentimentos intensos, do ódio, do barulho do ronco, das margens dos mapas e dos fios que sobram nas bordas de uma rede.

Posted in abismos, ódio, garatuja | 2 Comments »