tony monti eXato acidente

leio, escrevo e apago




  • três coisas que eu
    gosto - infantil -
    (2013)


    Capa de eXato acidente
    eXato acidente
    (2008)



    Capa de o menino da rosa
    o menino da rosa
    (2007)




    Capa de O Mentiroso
    o mentiroso
    (2003)





  • e-mail do Tony:
    monti1979 arroba gmail ponto com



  • Arquivos

garatuja (9) – literatura

Posted by Tony Monti em 22.12.2010

1. Eu escrevo linhas tristes. Alguém gosta. Sou recompensado assim por escrever. Mas se eu tiver que ficar triste para escrever, cria-se um ciclo perverso no qual eu sou recompensado pelas minhas dores.
2. As pessoas se ligam umas às outras por afetos complementares. Afetos complementares às vezes são afetos iguais. Tem gente que fica triste para se aproximar de alguém que se comove com isso. Tem gente que fica doente. Tem gente que tem alergia. Tem gente que trabalha mal, que ganha pouco, que sofre porque tem gente que cola em quem tem dor.

Anúncios

3 Respostas to “garatuja (9) – literatura”

  1. Fabiana said

    posso contar outra vez? “você escreve linhas tristes. alguém gosta do arranjo de palavras, mas não de te saber triste. então você é recompensado por arrancar beleza da tristeza. mas uma parte da acolhida não tem a ver com a qualidade do que você escreve – alegre ou triste ou feliz ou de saco cheio”. Quando se é escritor, talvez seja difícil separar essas coisas; mas elas são separáveis ;-)
    Quanto à segunda parte, acho que é isso mesmo – essa coisa difícil dos afetos complementares…
    Beijo!

    • tonymonti said

      Mas a segunda parte não pode ser o caso geral da primeira parte?

      (sim, mesmo que seja difícil, acho que a gente tem que tentar separar, para (Leminski) confundir menos o amor com aquele nervosismo)

      • Fabiana said

        não sei se entendi direito (provavelmente não – já sou naturalmente lerda, e duas taças de vinho não ajudam muito ;-)
        Casos gerais são bons para organizar o mundo. Quando se trata da gente, ainda que sejamos comuns, ainda que sejamos iguais, ainda que qualquer pessoa com um pouco mais de experiência soubesse dar outro nome a nosso nervosismo, vale a ilusão do amor. Porque nesse quesito é bastante provável que não exista verdade, que não exista o “real” – talvez o que baste é a sensação boa se saber (imaginar) amparado.
        (perdoe o tom melancólico…vai ver, tristeza contagia, ainda mais se for em véspera de Natal). Bjs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s